O espirro na quarentena



Em plena quarentena do coronavírus, quando ainda não era obrigatório o uso de máscaras, fui a um grande supermercado de Palmas e, quando me aproximei das prateleiras dos produtos de limpeza, espirrei.

- Atchim! 

Foi um espirro bem alto.

Primeiro ouvi um Vala-me Deus, depois um Jesus tenha dó, dois Sangue de Jesus tem poder, e três Misericórdia em sequência.

De um lado a outro, cabeças me olhavam sorrateiramente, o suspeito. Sim; porque com certeza eu era um caso suspeito de coronavírus. 

Desejei ser invisível, mas não deu. Fui seguido pelos olhares, que pareciam memorizar meticulosamente as áreas por onde não deveriam passar, onde não poderiam tocar. Tudo infestado de coronavírus.

Alguém pediu Álcomgel 70 graus.

Achei demais.  E humilhado pela minha intolerância ao cheiro de produtos de limpeza, fui tentar me esconder atrás da próxima prateleira; que para meu desespero era justamente a prateleira dos detergentes. O cheiro do Pinho invadiu minhas narinas. E eu espirrei de novo.

- Atchim!!

- Misericórdia! Virgem santíssima! Álcomgel!

Pelos ruídos, percebi que alguns produtos caíram dos carrinhos que se afastavam em desespero. Um melão passou rolando por entre as prateleiras. A essa altura todos imaginavam que eu era um paciente positivo. Certeza!

Fiz umas três mudanças de rota para despistar os seguidores e me dirigi até a distante área dos peixes, já querendo ir embora.

Eram oito pessoas na fila. A moça a minha frente comentou preocupada e baixinho:

- Tem um rapaz com coronavírus contaminando todo o supermercado.

Meu Deus, pensei, que povo mais linguarudo. Quase sorri. Achei melhor ficar calado; mas com medo que alguém me reconhecesse e eu passasse mais vexame achei melhor adiantar minha defesa. E falei, também, baixinho:

- Não, moça. Eu tenho sensibilidade a alguns detergentes. Foi o cheiro do Pinho que me fez espirrar.

- Ah, bom!

Disse ela, abaixando–se no carrinho e levantando a embalagem bem perto do meu nariz:

- Desse aqui, né?

Explodi!

- Aaaaaatchim! Aaaaaatchim! Aaaaaaatchim!

- Desculpem, sou alérgico.

Falei, levantando a cabeça e assuando o nariz infestado de gotículas.

Não havia ninguém para ouvir.



Autor: Cláudio Duarte


Leia também em:

https://www.jornaldotocantins.com.br/editorias/magazine/cr%C3%B4nicas-causos-1.1694950/o-espirro-na-quarentena-1.2052757

https://bico24horas.com.br/noticia/cronica-o-espirro-na-quarentena/20844

https://medium.com/@diariosdeumaquarentena/o-espirro-na-quarentena-7c9343ed095d?sk=d3022a56674ca57521b178d3c599507e


Postagens mais visitadas deste blog

Álbum de figurinhas

Maria Boto, a filha das águas

A parede de caramelos