Fogo e paixão

Enquanto escolho os brincos, ele se aproxima e me entrega uma calcinha adornada com plumas e laços.

A calcinha é vermelha, sensual e adequada para seduzir; evoca luxúria e devassidão. 

Surpresa, levo uma das mãos à boca e arregalo os olhos numa interrogação.

Eu calço scarpin e visto um Saint Laurent preto, ombro único, justo ao corpo. Meu esposo usa um terno Prada e sapatos Louis Vuitton.

- Use-a. Vamos nos aquecer no baile... E ao voltar nada me impedirá de arrancá-la com os dentes. Sussurra em meu ouvido. Eu visto; ela atiça minhas chamas e eu gosto. 

O show-baile é com o cantor Wando que acaba de lançar seu novo LP e as músicas não param de tocar nas rádios. Eu sou a fã número um e temos uma mesa prime no evento.

A poucos metros do palco, onde o cantor obsceno fará sua performance, nos aquecemos com um doze anos. À meia-noite, a atração principal.

Wando inicia com Senhorita, senhorita, depois Gosto de maçã e Emoções. O salão está cheio e todas as mesas ocupadas. 

Entorpecida pela bebida, eu canto, ergo os braços, aplaudo e grito; Wando nem me nota. Aprecia a moça da mesa ao lado que, toda faceira, atira flores.

A cada música ela alterna a cor das pétalas: brancas, rosas, vermelhas. Joga beijinhos e ele agradece. E onde está o vendedor das flores que não aparece...

Já na parte final do show, ele faz uma pausa para agradecer a presença de todos e em especial a sua fã número um; lógico, a mulher das flores. Eu não aguento...

- Vai lá fora agora e compra um imenso buquê de rosas. Anda! Grito com meu marido. Ele me olha assustado, levanta-se, dá com as mãos e, sorrindo, vira de costas e sai.

Wando canta Moça. Seus grossos e devassos lábios relatam a picante sina da jovem menina que não é mais pura e que tem um passado tão forte que até pode machucar.

Lembro meu marido e seu fetiche pela calcinha vermelha: E quando voltarmos nada me impedirá de tirá-la de seu corpo com os dentes.  Foi o que ele disse. 

Bêbada, eu miro no cantor obsceno. E ele... será que também quer?

“Eu quero me enrolar nos teus cabelos, abraçar teu corpo inteiro, morrer de amor, de amor me perder. Eu quero, eu quero, eu quero...”

Imagino ouvir a resposta, levanto com furor e vou à frente do palco. O fogo do álcool esquenta meu corpo e, enlouquecida, deixo a paixão por meu ídolo transbordar. 

Suspendo o vestido até os quadris, enfio os dedos nas laterais da calcinha, arranco-a do meu corpo e a atiro ao rosto do cantor.

Admirado e com olhos de lobo, Wando silencia; a banda também. Das mesas explodem assovios, gritos e aplausos.

Agarrado à comenda, agora o homenageado sorri, cheira e beija o seu rubro troféu. 

Me viro apressada e encaro meu marido boquiaberto e estático, com um buquê de rosas brancas à mão, muito sério, a me fitar.

Voltando para casa, bastante envergonhada, peço a ele que prometa manter tudo restrito a nós dois; no mais velado segredo de família.

Ele primeiro ri; depois um pouco sério concorda, e muito bêbado reclama: 

- Você enlouqueceu... E agora como vou tirar a sua calcinha vermelha com os dentes?

No quarto, retiro as joias, arranco o vestido apertado e, sem a pecinha desejada, me jogo na cama sobre ele.

Ao amanhecer, desperto e o vejo ao meu lado com um sorriso peralta. Pergunto o que há de tão engraçado, e ele me mostra o jornal.

Fogo e paixão: fã embriagada atira calcinha em Wando

Abaixo da manchete, uma sequência de fotos minhas e, ao lado, uma foto de meu esposo com o buquê de flores às mãos.

- E agora? Pergunto.

- Agora não há mais segredo. Diz ele, sorrindo. Você é o fogo e eu a paixão. 

  

Autor: Cláudio Duarte 

Ficção. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é coincidência. Juro!

Citações de Wando – Moça e Fogo e paixão.

Postagens mais visitadas deste blog

Álbum de figurinhas

Maria Boto, a filha das águas

A parede de caramelos